Encontro com Márcia Kambeba

Márcia Kambeba, poeta, geógrafa, estudante, educadora e militante, faz parte de uma rede que por meio da cultura, da educação decolonial e do ativismo político segue defendendo os povos indígenas, a natureza e seus direitos. A autora dissemina e produz a literatura indígena como um ato de resistência e de afirmação destes povos, tantas vezes esquecidos nas abordagens escolares. 

Poder aprender com ela no último encontro com os voluntários à distância e aprender com as educadoras e educadores que fazem parte da rede da Vaga Lume tem sido um enorme privilégio. Em uma sociedade punitivista e fechada para o diálogo, me aproximar de quem defende educação e a cultura do afeto e das trocas tem me dado esperança de que estamos trilhando caminhos alternativos. 

Ouvir a Márcia também me fez lembrar das educadoras que fazem parte da minha vida, seja na memória ou no convívio. Sou de uma família de professoras, e, ao que me parece, tive o privilégio de estar sempre próxima de mulheres educadoras que acreditam no carinho e no abraço como forma de educar, de acolher e ouvir. Sigo na expectativa de que estas experiências não sejam exclusivas de alguns, e sim uma realidade das crianças e jovens brasileiros. 

Por fim, deixo como recomendação para os leitores vaga-lúmicos o poema da autora que lemos no início do encontro para que sigamos aprendendo com a natureza e os povos indígenas. 

Os filhos das águas do Solimões

A água é a mãe que sustenta

A vida que nasce como flor

Alimenta a planta e o ser vivente

É estrada onde anda o pescador.

 

Na enchente, vem veloz e furiosa

Derrubando ribanceiras e plantações

Afeta a vida do indígena e ribeirinho

É um ciclo, que se renova a cada estação.

 

Na vazante o rio quase some

E a praia começa a surgir

A água, agora bem calminha

Não tem forças para a roça destruir.

 

Nas margens de um rio em formação

Vive um povo que a água fez nascer

Em um parto de dor e emoção

Na várzea o Kambeba escolheu viver.

 

Mas em um contato fatal

Com um povo mais socializado

Fez dos herdeiros das águas

Um povo desaldeado. 

 

Tomando seu solo sagrado

Sem dor, piedade ou compaixão

Os Kambebas foram escravizados

Apresentados a “civilização”

Exploraram a sua força

Forjando uma falsa proteção.

 

Redação: Elisa Villaméa

Revisão: Márcia Licá 

Artigos relacionados

Tire suas dúvidas ou deixe seus comentários aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Vem aí o 1º Encontro Virtual Vaga Lume de Parceiros e Equipes Locais
Formação de Mediadores de Leitura Vaga Lume à distância
Menu