Vaga Lume – 20 anos

A Vaga Lume celebrou, no mês de outubro, 20 anos de história, conquistas e muitas leituras. E para comemorar, lançamos às equipes locais o desafio: “Envie um depoimento contando a sua história como voluntário Vaga Lume e um momento que marcou a sua vida”. Aqui, apresentamos trechos de alguns dos depoimentos que recebemos. 

Quando recebemos a notícia que a Vaga Lume chegaria em Cohab foi algo surpreendente. Três meninas Paulistas queriam visitar a comunidade para apresentar a leitura de uma maneira nunca vista ali. Eu estava na cidade, estava estudando. O secretário mandou chamar eu e outras professoras. Chegamos na comunidade, organizamos tudo, pensando no melhor para oferecer para as três formadoras, Sylvia, Fofa e Laís. Até que um dia, lá no fundo apareceram as três moças com grandiosas mochilas nas costas. Pareciam hippies. Logo apresentaram livros bonitos e coloridos para as pessoas. Todo mundo poderia pegar, as crianças poderiam admirar e acompanhar as histórias.” Dalva Santos – Chapada dos Guimarães MT.

“[…] E as leituras… eu amo ler, amo livros e, como as caixas de livros doados pela Vaga Lume vem aqui para a minha casa e daqui eu distribuo para as comunidades, aproveito para ler. Aliás, devoro os livros enquanto estão por aqui.

Nesses anos todos, muita coisa aconteceu, principalmente nas formações de mediadores de leitura. Lembro que nas formaturas sempre existem muitos abraços e muitos choros. Em uma dessas, uma senhora, agricultora, chorou muito e agradeceu a oportunidade de estar ali participando, pois assim poderia pegar livros emprestados e ler para seu filho, pois em sua casa ela não tinha e nem nunca tinha possuído livros. A mesma só começou a estudar depois de adulta. Foi muito emocionante para mim e para todos esse depoimento.

Outro momento marcante foi de uma mediadora de leitura, que estava fazendo a formação e viu, no mural das exposições de fotos, a sua própria foto, pequenininha, visitando o acervo da Vaga Lume. Ela contou, com os olhos cheios de lágrimas, que lembrava daquele dia na biblioteca comunitária e que estava muito feliz em estar naquele momento fazendo o curso, pois os livros contribuíram muito para ela dar continuidade aos estudos.”  Aurilene Tertuliano – Macapá AP

“Sou Erivaldo Messias conhecido como Kiko, sou indígena da etnia Macuxi e professor da rede municipal de Pacaraima. Minha trajetória na associação Vaga Lume iniciou em 2015 na época eu era vereador no município de Pacaraima , e por um acaso do destino encontrei minha amiga que também é representante da associação vaga lume no município na companhia das educadoras Márcia, Celice e Carol , na ocasião pediu um apoio e fez o convite para participar da capacitação de mediadores de leitura na comunidade indígena taxi 1, na oportunidade falou resumidamente do projeto de leitura e sua importância. 

Hoje a vaga lume faz parte do meu cotidiano e agradeço por tudo que estão fazendo pela Amazônia legal em especial a nossas comunidades indígenas, onde através dos encontros e capacitações descobrimos artistas, escritores e autores. Fica os meus agradecimentos para algumas pessoas top show: Silvya, Márcia, Cris, Lohana, Celice, Carol, Roseli, Apoliana minha esposa, e aquele abraço do tamanho do mundo…”  Erivaldo Messias- Pacaraima RR

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Inauguração da biblioteca comunitária de Santa Rosa, em Cruzeiro do Sul AC.
Menu